O dia 29 de novembro de 2016 transformou a vida de muita gente, bem como as histórias de Atlético Nacional e Chapecoense, que viram os seus destinos tomarem um outro rumo, baseado na solidariedade e no espírito esportivo.

A final da Recopa Sul-Americana foi um claro exemplo disso, afinal, várias e várias camisas da Chapecoense marcaram presença em meio aos torcedores colombianos. Prova clara de que as duas equipes estão ligadas pelo real sentimento que o esporte proporciona aos que sabem sentir essa força poderosa que o futebol entrega aos reais torcedores.

No primeiro jogo, a Chape conseguiu arrancar uma importante vitória por 2 x 1. Entretanto, o gol sofrido deu a insegurança de que os colombianos haviam conquistado uma sobrevida importante para o jogo da volta.

Dito e feito. No retorno, realizado no Atanasio Girardot, o Atletico Nacional abriu os trabalhos com um gol relâmpago, logo no primeiro minuto, fruto de um vacilo do experiente goleiro Arthur.

Daí em diante, tudo o que havia sido planejado caiu por terra e a Chapecoense demonstrou todo o nervosismo de um time que viu sua estratégia ser literalmente inutilizada e foi questão de tempo para o Atlético Nacional sacramentar o seu primeiro título da Recopa. Aliás, este foi o primeiro título de um time colombiano na competição que, até então, foram vice-campeões por três vezes, sempre contra times argentinos.

O resultado final ficou num sonoro 4 x 1 (5 x 3 no placar agregado), bem distante daquilo que todos haviam pensado para o confronto. Fica a constatação que o clube catarinense conseguiu se reerguer em pouco mais de cinco meses, conquistou um título estadual e não fez feio diante do último campeão da Copa Libertadores da América.

Agora, a Chape volta as atenções para a estreia na Série A do Campeonato Brasileiro de 2017. O Verdão encara o Corinthians na primeira rodada, neste sábado, às 19h, na Arena Corinthians.