Se nos três últimos jogos o Palmeiras conseguiu vencer no sufoco, dessa vez o resultado foi diferente. Jogando na Bolívia, contra o Jorge Wilstermann, o verdão perdeu por 3 a 2, e não conseguiu carimbar sua classificação, que dependia apenas de um empate.

Após o resultado adverso, alguns personagens foram, de certa forma, responsabilizados pelo fracasso. Eduardo Baptista, que desde sua chegada não convenceu os torcedores, foi o mais criticado, seguido pelo zagueiro Vitor Hugo, que após dois anos na equipe, vive sua primeira má fase.

Padrão de jogo

Desde sua chegada, Eduardo Baptista aposta no 4-1-4-1 com o esquema tático ideal para as peças que tem no elenco. O problema é que, mesmo mantendo a formação, o time não consegue ter um padrão ideal de jogo. As atuações oscilam muito, e alguns apagões acontecem na equipe.

Em quatro das últimas 5 partidas, o Palmeiras sofreu 10 gols, um número bem alto, tendo em vista o nível dos adversários enfrentados e o plantel palmeirense para 2017.

Segundo dados divulgados pela Footstats, nesses quatro jogos, a média de gols sofridos subiu para 331% e 80% foram levados na primeira etapa, sendo 5 deles entre 30 e 45 minutos. Todos esses dados, em comparação aos outros 17 jogos da temporada que o time levou apenas 10 gols.

De repente, o sistema defensivo que era bom ficou ou ruim, ou as falhas individuais estão condenando o trabalho de Baptista?

Cabe ressaltar que Moisés, principal nome do time na temporada passada, está machucado e o bom volante vindo do Audax, Tchê Tchê, não consegue atuar no mesmo nível de 2016, dificultando, e muito, a movimentação de meio de campo.

Vitor Hugo

Nas duas últimas temporadas, o zagueiro vindo do América-MG, foi, sem dúvidas, um dos responsáveis pelos títulos que o verdão conquistou.

No começo do ano, enquanto Mina estava contundido, Hugo e Dracena estavam atuando juntos na zaga alviverde. Logo após a volta do zagueiro colombiano, devido as boas atuações de Dracena, Vitor amargou o banco de reservas e teve algumas oportunidades de atuação.

Vitor Hugo com a camisa do Palmeiras (Djalma Vassão/Gazeta Press)

O problema é que o bom zagueiro palmeirense não conseguiu corresponder o nível de atuação do ano passado, e após a expulsão infantil na primeira partida, contra o mesmo Jorge Wilstermann, sofreu duras críticas dos torcedores. Ontem, novamente como titular, Hugo falhou ao não marcar Morales, que sozinho, na pequena área, só empurrou para o gol vazio.

Em seu instagram, Vitor Hugo respondeu as críticas dizendo “Se vocês realmente acham que eu tenho que ir embora espero que Deus ouça vocês… Sou profissional pra caramba e não admito que coloquem isso em dúvida. Impossível vocês estarem mais putos do que eu porque era a chance de eu voltar para o time”.

O zagueiro tem proposta para se transferir ao futebol italiano e atuar pela Fiorentina. A imprensa italiana especula com otimismo a contratação do zagueiro alviverde, os valores se aproximam dos oito milhões de euros.

Sombra de Cuca

Eduardo Baptista, como citado acima, ainda não conquistou a confiança da torcida. O time com Cuca no ano passado fez um excelente campeonato, um dos melhores de todos os tempos em pontos corridos, e, recentemente, surgiram rumores que o treinador pretende voltar a trabalhar.

Cuca campeão brasileiro em 2016 (Agência Estado)

A pressão pela volta de Cuca e a não confiança em Baptista, podem dificultar o trabalho durante a longa temporada que o Palmeiras ainda tem pela frente. Ou a diretoria banca o treinador que resolveu apostar e extermina de vez os boatos, ou o verdão, com excelente elenco e patrocinador ainda melhor, pode dar uma enorme decepção aos torcedores.