Após empatar por 0 a 0 no primeiro jogo válido pela Sul-Americana, que aconteceu dia 12 de abril na Argentina, o São Paulo recebeu o Rosario Central no Morumbi na noite de hoje para a volta. Em um clima total de animação antes da partida, quase 34 mil torcedores fizeram a festa com bandeiras e fogos para empurrar o time.

Peça fundamental do time no último ano, a torcida marcou presença novamente. Foto: Globo Esporte

Outro empate sem gols levaria a decisão para os pênaltis. Em caso de empate com gols, a vaga ficaria com o Rosario Central devido ao quesito de gol fora. Ou seja, não restava outra opção ao São Paulo que não fosse essa: vencer.

No primeiro tempo, apesar de estar melhor em campo, o time paulista desperdiçou chances claras de gol. Primeiro com Diego Souza, depois com Petros – que errou muitos outros passes também, e Nene, aos 19 minutos chutou para defesa fácil de Ledesma. Os argentinos começaram a gostar do jogo e chegaram ao gol de Sidão, apesar de não oferecerem perigo.

Diego Souza lamenta gol perdido. Foto: Globo Esporte

A volta ao segundo tempo foi ainda pior que o final do primeiro. Os minutos iniciais davam indícios de que seria sofrido para os torcedores, quando, aos 15 minutos, Diego Souza abriu o placar. Como nos últimos jogos, o time treinado por Diego Aguirre recuou e acabou levando sufoco no final. Mas, com um gol de vantagem, a vaga – e o alívio – ficaram na capital paulista.

Clima quente no final

Sobrou tempo para uma confusão entre os jogadores porque, aos 44 minutos, Nene sofreu uma falta e Cueva acertou o jogador rival logo em seguida. O juiz amarelou Camacho e Leonardo Gil, do Rosario Central, e expulsou o peruano do São Paulo. Depois da situação “apaziguada”, ainda teve um cartão vermelho para Petros.

Placar pequeno, alívio grande

Caso não conseguisse a classificação, o São Paulo repetiria a tríplice eliminação seguida que sofreu no ano de 2017 – Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Copa Sul-Americana. Por isso, o resultado trouxe alívio para um time que busca confiança da torcida e tenta se firmar. O trabalho será grande pela frente.

Reinaldo, Diego Souza e Nene. Foto: Globo Esporte