Por muitas décadas as mulheres batalham pelo seu espaço na sociedade. No esporte não é diferente. Ficamos tristes e chateados quando vemos algum comentário machista ou preconceituoso sobre o futebol ou futsal feminino atualmente, mesmo com nossa Constituição dizendo, no artigo 5, inciso I, que “homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações”.

Esse contexto de igualdade está ligado a cidadania e a dignidade da pessoa humana. Aquela, estruturou-se com o crescimento das cidades e com a definição do sentido do público e do privado e esta, é base para todos os outros direitos inerentes às mulheres e, também, aos homens.

A jogadora foi insultada nas redes sociais (Reprodução Twitter)

Então eu pergunto: Por que dizer que uma mulher não pode “chutar uma bola” melhor do que um homem? Na semana passada, foi noticiado que a brasileira Amandinha levou o troféu de melhor jogadora de futsal do mundo pela terceira vez seguida, um fato histórico para o país. A cearense disputou o prêmio com outras quatro jogadoras brasileiras.

Mas, em um momento feliz, sempre temos aqueles que querem rebaixar o próximo que conquistou um lugar que, talvez por inveja, a pessoa gostaria de estar. Fernando Moreira em resposta ao twitter do Globo Esporte, preferiu dizer que a jogadora deveria estar na cozinha fazendo comida para o seu marido e, além disso, disse que ela é uma vergonha.

Eu tenho um recado para você: a vergonha é você dizer isso de uma verdadeira guerreira que deve ter passado por muitas dificuldades para chegar até onde chegou. Ela conquistou o seu lugar no topo por merecimento. E, respondendo a minha pergunta: a mulher não pode mesmo “jogar bola” melhor que um homem… ela deve e fará isso três vezes melhor.

Além do recado eu tenho uma dica que poderá lhe ajudar em seus relacionamentos afetivos. Cozinhe para elas, talvez seja isso que falte para você deixá-las felizes. E tenha certeza absoluta que elas adoram!